domingo, 26 de dezembro de 2010

CFR - ADEUS...


Foto: Sergio Bucco - Dez/2009.
Casa Familiar Rural Foi muito bom trabalhar aqui. Poderia ter sido muito melhor... Porém agora digo adeus ou até mais ver ou até logo... Fiz minha opção por retornar à Escola Base, CESTAC (Col. Est. Sta. Clara), porém não estou a abandonar-vos... Retornar ao CESTAC é um desafio, pois desacostumei trabalhar no formato que ali se trabalha. Quanto ao tempo que trabalhei na CFR de Candói (2006-2010), deixo aqui registrado publicamente a minha gratidão a todos/as que foram Companheiros/as de Trabalho, Educadores/as, nestes cinco anos em que atuei nesta Escola do Campo e na qual procuramos desenvolver a Educação do Campo, em uma perspectiva Multidisciplinar, Transdisciplinar, Holística, Emancipadora, Libertadora... Agradeço a todos/as os/as Educandos/as que foram motivo e fizeram parte de nosso trabalho. Havia me preparado como especialista (EdoC/UFPR) para estar e atuar nesta Escola. Agradeço pelo imenso companheirismo de Profissionais, Responsáveis, Auxiliares, Educandos/as! Pela cooperação que tiveram conosco quando atuamos em horários de trabalho conjunto, de forma Multidisciplinar em Sala de Estudos, nas Atividades do Pátio (horta, jardim, lavoura, animais, limpeza, etc.), nas Visitas de Estudo, nas Visitas às Famílias, nas Reuniões de Planejamento e Avaliação. Agradeço à Associação CFR (ACFR) que através de suas diversas diretorias reconheceram nosso trabalho e nos deram o apoio necessário. Agradeço ao NRE de Guarapuava que sempre nos apoiou, incentivou e assesorou quando necessário. Agradeço à SEED/PR que cedeu Edcadores às CFRs e, juntamente com a ARCAFAR-SUL, ministrarou cursos de formação e capacitação em diversas ocasiões, assim como se fizeram presentes em nossa CFR em diferentes oportunidades. Reconhecemos o significado da presença da Prefeitura Municipal de Candói que tem apoiado a CFR através de convênio de cooperação financeira com a ACFR, para sustento da estrutura da Casa Familiar Rural, devolvendo parte do dinheiro público para o bem dos filhos do Povo.                              
          Trabalhar na CFR não foi apenas cumprir alguns horários ministrando algumas aulas e ir para outra escola ou ir para casa. Trabalhar na CFR comportou passar o dia juntos, integralmente, em companhia, envolvido nos horários de Estudos, nos instrumentos da Pedagogia da Alternância, nas Propostas Pedagógicas, na recepção de novos Educadores que por ventura chegassem para acolhê-los e cooperar com a sua integração neste processo pedagógico, bastante diferente daquilo que chamamos de 'escola convencional', no atendimento às/aos visitantes que acorriam a esta Escola, seja para conhecer, para pesquisar ou contribuir de alguma forma. Estamos saindo, mas nos colocamos à disposição para continuar contribuíndo da forma que for possível com a Educação na CFR
          Aproveito o ensejo para escrever aqui meus pedidos de desculpa aos vários entes que ali convivem (ou conviveram), pelas vezes que não trabalhei dentro do planejado ou não atendi às expectativas do grupo, pois sou um ser humano carregado de defeitos, falhas, limitações.
          E como estamos ao final do ano letivo, registro as felicitações de Boas Festas e um rico ano de 2011 para todos/as que fazem parte direta ou indiretamente da CFR! Um ano cheio de sonhos, organizações, lutas, conhecimentos, realizações e vitórias! Meu caloroso, sincero e cordial abraço a todos/as!!!

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

AUMENTO DOS SALÁRIOS DOS SENADORES E DEPUTADOS

Me repassaram que está circulando este adesivo
nos carros de Brasília/DF:
EU FIQUEI MUITO
ORGULHOSO COM A
DECISÃO DE DAR AUMENTO
AOS SENADORES E DEPUTADOS.


          Uma coisa é dizermos que trabalhamos 'pelo povo', já que trabalharmos 'com o povo' é mais difícil, pois teríamos que ter sintonia com o povo, teríamos que escutar o povo, teríamos que respeitar muito mais o povo, pois ele estabeleceria as prioridades e seria quase impossível que 'nós', como seus representantes, nos comportássemos como iluminados e decidíssemos tudo sozinhos em nossos gabinetes.
          Outra coisa é o comportamento/postura/atitude dos chamados 'representantes do povo' que, de maneira geral, fazem tudo do seu jeito, se aliam às máfias que perpassam todo o território nacional e cuidam de seus interesses e projetos pessoais, antes de qualquer coisa e acima de qualquer interesse popular! O tema e as charges acima dizem bem esta situação!!!... Ou não??? 

O ESPÍRITO NATALINO

          “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre
 os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso,
Conselheiro, Deus Forte,  Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”. (Isaias 9.6)¹
Por Sergio Bucco
          Há mais de dois mil anos chegou a Israel, em cumprimento a uma promessa contida no início do Antigo Testamento (Bíblia) e reafirmada pelos profetas no mesmo livro sagrado, aquele que seria chamado Emanuel. Mateus diz: “Eis que a Virgem conceberá e dará à luz um filho, que se chamará Emanuel (Is 7, 14), que significa: Deus conosco” (Mt 1.23)².
          Tudo muito belo, muito lindo, diria, maravilhoso! Seu projeto trouxe uma mensagem e uma proposta de transformação do ser humano e de sua realidade. As escrituras bíblicas, porém não dão ênfase nenhuma ao nascimento de Jesus Cristo como evento a ser comemorado (e sobre o qual nem se conhece a data). Ao contrário, o evento de sua morte (selada com seu próprio sangue, em dia e local determinados) foi ensinado que se celebrasse em sua memória (Lucas 22:19-20).
          Mas eis que o tempo foi distanciando o cristianismo dos passos do seu idealizador. Poderíamos dizer que aos poucos foi se invertendo a lógica do ensino de Jesus Cristo. Ele que seria o motivo da adoração, da reverência, do respeito, da obediência, foi sendo substituído pelos assessórios que tinham alguma ligação com a sua pessoa. Ou seja, o cristianismo foi deixando o Cristo ao lado de fora de suas atividades. Enquanto que símbolos, comemorações, tradições, mercadorias (e estas lembram o mercado, o negócio...) foram ganhando força e ocupando o centro das atenções nas reuniões, nos cultos, nas celebrações...
          Deste modo cerca de quatro séculos depois de Cristo nascia a festa do natal, substituindo uma festa de povos antigos da Europa, comemorada em homenagem ao deus sol, no dia 25 de dezembro. Um século depois nascia o Papai Noel inspirado ou em homenagem ao bispo turco chamado de São Nicolau. Ao final do século XIX foi criada por um cartunista alemão a imagem do Papai Noel com as características atuais. Em 1931 uma fábrica de bebidas à base de coca, nos EUA, adotou a imagem em seu rótulo e popularizou a figura pelo mundo.
          Não pretendo estragar o prazer, a alegria, o sonho e a ilusão das crianças, até porque neste espaço não escrevo prioritariamente a elas. Eu particularmente gosto das cores branca e vermelha, pois lembram o time pelo qual torço, o Internacional Esporte Clube (ou Colorado), recordam o movimento socialista, simbolizam a “paz” e a “paixão”, o fogo, dentre outros. Mas daí dizer que estes elementos comemorativos e cores nos reportam às novidades cristãs é outra história! É outra invenção! É outra criação! Pois ainda que muitos tenham defendido que o chamado “espírito do natal” não foi criado pelo comércio, este soube muito bem apropriar-se do conjunto dos seus elementos e fazer deles um motivo meramente mercadológico, longe do seu suposto motivo, Jesus Cristo. E isto é incontestável. Nossas crianças, adolescentes e jovens estão se acostumando a uma tradição completamente desenraizada de suas origens. Aliás, o natal, o papai Noel, a árvore de natal e os presentes, do modo como chegam, simplesmente negam o espírito cristão, o cristianismo e o Cristo Jesus! E dizer Feliz Natal neste contexto soa como algo sem conteúdo, sem base e sem sentido! 
Referências: ¹ Bíblia online. ² Bíblia Ave Maria.
Coluna Jornal Vale do Iguaçu (22.12.10).

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

MENTIRA! MENTIRA! MENTIRA!

Tem um ditado que diz:


Uma mentira repetida mil vezes pode torna-se uma verdade.

          Esta era a máxima de Joseph Goebbels, Ministro da Propaganda Nazista (Governo de Adolfo Hitler). Aliás, por adotar tal prática ao esconder os escândalos tucanos em seus noticiários, foi sugerido que a Rede Globo fosse chamada de Rede Goebbels. Apesar de que aqui se refere ao problema da omissão na informação. Porém, uma mentira por mais repetida que seja nunca será uma verdade. O que sucede no mundo da propaganda, das notícias, da doutrinação, da política... é que de tanto repetir uma determinada temática ou mentira friamente urdida, ela vai calando nas cabeças, no imaginário popular, no inconsciente e as pessoas passam a aceitar e até contar como fato real, como verdadeiro.
          
          Assim, o Povo que não é 'dono' de jornal, de rádio, de emissora de tv (e outros Meios de Comunicação Social) tem que ficar muito atento ao abuso que se faz destes MCS.  Há que desenvolver o senso crítico suficiente para não ser embolsado por mentiras comerciais, noticiosas, doutrinárias, políticas... Pois isto é o que não falta em nosso meio. Há 'pessoas' tão sem excrúpulo, que de tanto mentirem começam elas próprias acreditarem no que mentem, no que anunciam, no que propagam, como algo veraz. 

          E nós na condição de educadores temos hercúlea responsabilidade de ajudar nossos/as educandos/as a perceberem o descaramento de quem adota a mentira como instrumento normal de trabalho, de relações públicas e políticas. Temos o compromisso, sim, de desenvolver o chamado senso crítico em nossos alunos e alunas! E isto não é doutrinação como quer entender alguém. É sim ajudar a desvendar o 'véu' que encobre os olhos e as mentes das pessoas e não as deixa ver a realidade nua e crua, que às vezes cruel, outras diferente, por vezes gratificantes, mas nunca como os profissionais da mentira pintam ou tendenciosamente anunciam através da mídia local, nacional ou internacional.

          Quando estudava no seminário católico, em Ponta Grossa, ao final da década de 70, o Reitor Pe. Abrão Becher, costumava referir-se aos efeitos das "boas novas" do evangelho. Mas contrapunha às verdades do evangelho (em uma espécie de paráfrase) o "diabolos velho" ou "kaco velho" (do grego παλιές κακές). Lembrando que não é nenhuma tradução literal. É mais um trocadilho com a intenção de exprimir o fato de que a mentira, o vício da mentira, o costume da mentira, estão em nosso mundo e precisamos 'ser prudentes', como dizia o mesmo sacerdote, "pois os filhos das trevas são mais espertos do que os filhos da luz (Lc 16.8). 


          Em Candói, nos últimos dois anos, temos escutado uma tempestade de mentiras de forma sistemática e contínua! Haja ouvidos de penico e paciência para tanta merda! E pior, não são só as mentiras. As meias verdades ditas com intenção de torcer os fatos também são muito perniciosas! E para completar o quadro dos que contam mentiras como verdades, há ainda os arautos, os porta vozes, os testas de ferro dos donos da mentira travestida de verdade. Estes se submetem por interesses mesquinhos, proveito próprio, vantagens pessoais... Mas façamos uma ressalva, nós, o Povo em sua totalidade, não somos crédulos, inocentes, manipuláveis e ignorantes! De tanto ser enganado o Povo tornou-se perspicaz, desconfiado e exigente!

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Wikileaks - Solidariedade a Julian Assange

          Em Solidariedade a Julian Assange passamos o Documentário sobre o Wikileaks.
          Descubra como o Wikileaks tornou-se um dos principais institutos de defesa pela verdade e pela justiça através dos vazamentos de informações secretas. Instalado nos servidores do Pirate Bay, o site está protegido pelas estritas leis suecas que protegem o direito de expressão.
          Julian Assage, jovem ativista, que luta pela paz mundial, tornou-se uma das principais dores de cabeça dos EUA. 
Continua no DOC VERDADE AQUI.

ENCERRAMENTO DO ANO LETIVO NAS ESCOLAS

O encerramento das Atividades Pedagógicas e o fechamento dos Livros de Registro Escolar, durante o ano letivo e ao final, é pura Burocracia Medieval. A Escola não consegue entrar na era da INFORMÁTICA!!! Começa desde a chamada diária, que a muito deveria ter sido abolida e substituída por cartão magnético, até os registros diários que deveriam estar todos informatizados, com economia de papel, tinta, espaço e tempo! Mas não! É difícil entender e aderir ao novo! E acredito que isto não é "privilégio" apenas do PR...

ESPENCER A. GANDRA MINISTRANDO AO PESSOAL... PELA UAB

Img. provisória...


Obs.: escreva aí, Espencer, o que exatamente vcs estão fazendo, curso, web... (???).

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

PARA O BOM ENTENDEDOR MEIA PALAVRA BASTA! SERÁ???

Hoje vou fazer umas NEGAÇÕES            
permeadas de algumas AFIRMAÇÕES.
Vou dizer alguns O QUE EU NÃO SOU...
E alguns O QUE EU SOU!
Não sou Ministro da Educação!
Não sou membro do Conselho Estadual de Educação!
Não sou Governador do Estado!
Não sou Secretário estadual de Educação!
Não sou Chefe do Núcleo Regional de Educação!
Não sou Pedago da ARCAFAR-SUL!
Não sou Diretor da Escola Base (CESTAC)!
Não sou Articulador Pedagógico da CFR!
Não sou Presidente da ACFR!
Não sou Coordenador da CFR!
E mesmo que fosse, eu não estaria acima da LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL!
Eu não poderia mudar o número de dias letivos!
Eu não poderia dispensar educandos/as antes do fim do Ano Letivo!
"Eu não poderia e eu não o faria!"

E tem mais EU NÃO SOU...
Eu não sou nascido ontem!
Eu não sou analfabeto!
Eu não sou Educador por favor de ninguém!
Eu não sou fugitivo da Escola!
Eu não sou mentiroso!
Eu não sou fofoqueiro!
Eu não sou oportunista!
Eu não sou neófito!
Eu não sou duas caras!
Eu não sou pau mandado!
Eu não sou pelego!
Eu não sou manipulado por  ninguém!
Eu não sou capacho!
Eu não sou testa de ferro de políticos!
Eu não sou, aliás, analfabeto político!
Eu não sou acusador de ninguém. Estou afirmando apenas que eu não faço parte deste time ai de cima!

          Eu sou apenas um EDUCADOR (vulgo Professor) e minha preocupação é aproveitar ao máximo o período de Estudos (vulgo aulas) dos educandos/as ou TEMPO ESCOLA para que eles/as aprendam, se desenvolvam intelectualmente, melhorem seus conhecimentos científicos e caminhem para uma vida autônoma e transformada!

          Eu (juntamente com meus pares) tenho a preocupação de aproveitar ao bem o tempo de Trabalho para que haja ensinagem e aprendizagem, que os educandos saibam a diferença de estarem preparados para enfrentarem o mundo do trabalho, conquistarem um lugar ao sol, não apenas para fazer de conta, passar a mão nas cabeças dos educandos, nem deixá-los viciados nas facilidades enganosas de quem quer levar-lhes nas costas (ou deles apenas tirar algum proveito futuro) ao invés de ensinar-lhes a caminhar com as próprias pernas, ainda que de mãos dadas, de forma cooperativa e solidária!

Há um porém... Quando as Escolas (seja, por exemplo, - só por exemplo -CESTAC, CFR ou quaisquer outras) não tem sintonia, articulação, sincronia, diálogo... o processo pedagógico não funciona! Não basta que o prédio da Escola seja conservado, pintado ou ampliado. Não é suficiente que o gramado esteja aparado; não se sustenta apenas com árvores podadas e flores bem cuidadas. É preciso que cada uma das partes adultas dialoguem, conversem, façam planejamento, sigam o planejado e, principalmente, haja comunicação entre todas as partes pedagógico-administrativa e educandos/as. Pois o pensamento é captado por uma espécie de osmose, através de raios invisíveis, mas há maneiras de uma EQUIPE DE TRABALHO desenvolver suas atividades se ENVOLVENDO de fato, estando junto, se misturando, sem medo ou nojo da outra parte. Ideias, resoluções, decisões, planos e tarefas são bem melhor comunicados através do corpo a corpo, do que através de intuição, bola de cristal, quiromancia, revelações do além e outros! Porque senão acontece aquilo que ficou famoso na história recente de nosso país (ainda que o exemplo não seja ao mesmo nível e teor): "NÃO SEI DE NADA... NÃO VI NADA... NÃO FALEI NADA... NEM TÔ NEM AI!"

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Kátia Abreu é “homenageada” por serviços prestados ao meio ambiente

Kátia Abreu ganha prêmio ‘Motosserra de Ouropor defesa do desmatamento
          Líder da bancada do agronegócio no Congresso e fiel defensora das propostas de mudanças no Código Florestal brasileiro, a senadora Kátia Abreu (DEM-TO) recebeu das mãos de uma ativista do movimento indígena da Amazônia, junto com o Greenpeace, o prêmio Motosserra de Ouro, símbolo de sua luta incansável pelo esfacelamento da lei que protege as florestas do país.
Continua AQUI.  

PROFESSOR ALIANDRO 1º LUGAR POPULAR NO FINAL CANTA CANDÓI 2010

video

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

ENTRE A VAIDADE E O COMPROMISSO

          O rei Salomão, considerado um dos mais sábios homens governantes da antiguidade, a certa altura de sua existência chegou a determinadas considerações sobre a vida e o que fazemos dela. Suas observações ficaram registradas no belo livro de Eclesiastes. Disse: "Vaidade de vaidades, diz o Pregador; vaidade de vaidades, tudo é vaidade" (Ec 1.2). "Considerei todas as obras que fizeram as minhas mãos, como também o trabalho que eu, com fadigas, havia feito; e eis que tudo era vaidade e correr atrás do vento, e nenhum proveito havia debaixo do sol" (Ec 2.11).
          Conversava com uma senhora amiga, retornando de mudança para Candói, que afirmou: “Eu descobri que a gente pode viver com bem pouco”. Esta é mais uma manifestação da sabedoria que às vezes buscamos, outras vezes somos impelidos a abraçar, pois as circunstâncias nos impulsionam a aprender. Ou como afirma o dito popular: “A dor ensina nos gemer”. Nesta ocasião me somei a estas personagens fazendo observações semelhantes. Pois, afirmava eu, buscamos estabilidade emocional, espiritual, material, cultural, social, ambiental... E por ai segue. Mas por vezes exageramos na dose, pois não precisamos nos cercar de tudo o que o mundo nos oferece, ou não vale a pena gastarmos tanto de nossa vida atrás de coisas, posição social, status, fama, poder, riquezas e similares. Pois, como o sábio Salomão, corremos o risco de chegarmos ao entendimento de que as obras de nossas mãos e o nosso trabalho, tudo é vaidade e correr atrás do vento, sem nenhum proveito.
          Escrever, a propósito, pode ser um mero exercício de vaidade, assim como pode ser uma ferramenta de informação, de conscientização, de formação ou de comunicação. Porém, fazendo minha própria defesa (e quem não faria?), escrevo no meu diário, nos blogs de minha responsabilidade e na interação com as pessoas, nos e-mails, dentre outros espaços online, porque entendo como um compromisso com a vida, com a minha própria consciência, como extensão do exercício da Cidadania, da Democracia, da Política, da Cultura Planetária. Para expor ao público as minhas simples reflexões tive que fazer um exercício de superação, pois ao final da década de 80 eu avaliava como havia tanta produção literária, dita científica, dentre outras, que eram meros ‘borrões’ no papel, que não acrescentavam quase nada, enrolavam e tinha a finalidade apenas de ganhar dinheiro. Aliás, como foi a tendência mais e mais agravada nos últimos tempos de globalização e liberalismo econômico, pela linha do “negócio”, do mercadejar, do mercado, que é a característica base e fundante do capitalismo. Porque no sistema capitalista, se um indivíduo vê possibilidade de aumentar seus cifrões negociando a sua própria mãe, então vai e a vende!
          Nesta perspectiva de raciocínio é que aceitamos o convite para rabiscar no papel algumas reflexões do nosso cotidiano, sobre o nosso País, a respeito de nosso Planeta Terra, na intenção de contribuir de forma despretensiosa com nossos semelhantes, com o nosso meio, com a humanidade. Sempre com a tensão e a urgência de que qualquer transformação para ser eficaz, verdadeira, duradoura tem que começar em nosso interior, em nossa casa, em nosso lugar! De modo que em tudo o que buscamos ou em tudo o que fazemos, deveríamos nos perguntar: 'Isto que almejo ou que estou realizando é alguma forma de compromisso vital, social, ambiental, com o bem comum, ou é apenas vaidade pessoal, palha e vento?'

Sergio Bucco - Coluna do Jornal Vale do Iguaçu, 08.12.10 - Candói - PR


segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

RECEITA DE DONA CACILDA

Recebi este texto por e-mail de uma jovem septuagenária e tomo a liberdade de postá-lo aqui.
     Dona Cacilda é uma senhora de 92 anos, miúda, e tão elegante, que todo dia às 08 da manhã ela já está toda vestida, bem penteada e discretamente maquiada, apesar de sua pouca visão.
     E hoje ela se mudou para uma casa de repouso: o marido, com quem ela viveu 70 anos, morreu recentemente, e não havia outra solução.
     Depois de esperar pacientemente por duas horas na sala de visitas, ela ainda deu um lindo sorriso quando a atendente veio dizer que seu quarto estava pronto. Enquanto ela manobrava o andador em direção ao elevador, dei uma descrição do seu minúsculo quartinho, inclusive das cortinas floridas que enfeitavam a janela.
     Ela me interrompeu com o entusiasmo de uma garotinha que acabou de ganhar um filhote de cachorrinho.
     - Ah, eu adoro essas cortinas...
     - Dona Cacilda, a senhora ainda nem viu seu quarto... Espera um pouco...
     - Isto não tem nada a ver, ela respondeu, felicidade é algo que você decide por princípio. Se eu vou gostar ou não do meu quarto, não depende de como a mobília vai estar arrumada...Vai depender de como eu preparo minha expectativa. E eu já decidi que vou adorar. É uma decisão que tomo todo dia quando acordo.
     Sabe, eu posso passar o dia inteiro na cama, contando as dificuldades que tenho em certas partes do meu corpo que não funcionam bem...
     Ou posso levantar da cama agradecendo pelas outras partes que ainda me obedecem.
     - Simples assim?
     - Nem tanto; isto é para quem tem autocontrole e exigiu de mim um certo 'treino' pelos anos a fora, mas é bom saber que ainda posso dirigir meus pensamentos e escolher, em conseqüência, os sentimentos.
     Calmamente ela continuou:
     - Cada dia é um presente, e enquanto meus olhos se abrirem, vou focalizar o novo dia, mas também as lembranças alegres que eu guardei para esta época da vida. A velhice é como uma conta bancária: você só retira aquilo que guardou. Então, meu conselho para você é depositar um monte de alegrias e felicidades na sua Conta de Lembranças. E, aliás, obrigada por este seu depósito no meu Banco de lembranças. Como você vê, eu ainda continuo depositando e acredito que, por mais complexa que seja a vida, sábio é quem a simplifica... Depois me pediu para anotar:
 
Como manter-se jovem
1. Deixe fora os números que não são essenciais. Isto inclui a idade, o peso e a altura. Deixe que os médicos se preocupem com isso.
2. Mantenha só os amigos divertidos. Os depressivos puxam para baixo. (Lembre-se disto se for um desses depressivos!)
3. Aprenda sempre: Aprenda mais sobre computadores, artes, jardinagem, o que quer que seja. Não deixe que o cérebro se torne preguiçoso. 'Uma mente preguiçosa é oficina do Alemão.' E o nome do Alemão é Alzheimer!
4. Aprecie mais as pequenas coisas.
5. Ria muitas vezes, durante muito tempo e alto. Ria até lhe faltar o ar. E se tiver um amigo que o faça rir, passe muito e muito tempo com ele / ela!
6. Quando as lágrimas aparecerem aguente, sofra e ultrapasse. A única pessoa que fica conosco toda a nossa vida somos nós próprios. VIVA enquanto estiver vivo.
7. Rodeie-se das coisas que ama: Quer seja a família, animais, plantas, hobbies, o que quer que seja. O seu lar é o seu refugio.
8. Tome cuidado com a sua saúde: Se é boa, mantenha-a. Se é instável, melhore-a. Se não consegue melhora-la , procure ajuda.
9. Não faça viagens de culpa. Faça uma viagem ao centro comercial, até a um país diferente, mas NÃO para onde haja culpa.
10. Diga às pessoas que ama que as ama a cada oportunidade.

Fonte: Códigos da Vida.

sábado, 4 de dezembro de 2010

ENSAIO INTROSPECTIVO¹

          A mim não cabe uma avaliação imparcial e isenta, pois sou supeito para falar em causa própria. Seria tão oportuno fazer a própria defesa, o que aliás não é tão mau e dispensável. Porém espero ter como viver o processo da própria superação, a metanóia que eu mesmo exijo de mim... Pois tu já tens tua vida para planejar, conduzir e se superar.
          Ao me observares verás que procuro ser honesto comigo mesmo, apesar das próprias contardições! Mesmo eu não dando conteúdo suficiente, tu me julgas, qual juiz sempre pronto para o veredito e condenação! Entretanto nem tens coragem de olhares para ti mesmo... Pois perceberias que não és tão bom, assim como também não és execrável como já te fizeram crer ou determinaram. E apesar de que  eu sou o que sou, gostaria de realizar uma metanóia rápida, mas como a vida é processo, gostaria pelo menos de aprender a ter paciência comigo mesmo para então ser longânimo com meu semelhante.
______________________
¹ Inspirei-me no blogueiro Paulo Rideaki e seu Blog Para tudo na vida há uma solução! 

AS CIDADES DO BEM VIVER

Bolzano
           Posso parecer um remedo de "papagaio de pirata", mas afirmo que sou adepto desta concepção de vida, que tem como princípio fundante o modo de viver slow ou movimento das cidades slow. Ainda que estejamos a milhares de quilômetros da história, da cultura, da mentalidade, do território e do contexto italiano, os quais foram apresentados no seu conjunto de cidades do bem viver (Matera, Parque das Cinco Terras, Bolzano, Levanto e Greve in Chianti).         
Cinco Terras
         Alguns dos temas que me chamaram a atenção são o desenvolvimento local sustentável. Lá não precisa fazer discurso. Daria para fazer um curso só através da observação. Assistimos no globo repórter a busca da identidade cultural baseada nas tradições e costumes desenvolvidos historicamente, a valorização da economia local, a busca do rítmo mais lento, que desenvolve o 'mercado quilômetro zero' pelo qual se se oferece à população alimentosm produzidos ao redor das cidades, frescos, de qualidade, trazidos diretamente pelos produtores, que têm contato direto com os consumidores, a cultura de uva a partir das montanhas de pedra transformadas em patamares, a produção ecológica, as receitas trazidas dos antepassados, a produção da energia própria, a preocupação com o tempo da população para viver melhor, a busca do viver mais lento, diminuindo o rítmo, mais de vagar e a 'secretaria de política temporal', perspectiva na qual uma senhora falou que "não é o dinheiro a coisa mais importante que temos, mas ser o dono do nosso tempo", o transporte limpo, o cultivo das relações da vizinhança e amizade, a atenção e cuidados com idosos, o trabalho e a vida comum onde todos se preocupam com todos, o amor ao território e a proximidade das pessoas que trabalham a terra, em fim, a busca da vida de qualidade, onde a simplicidade e o contato direto com a Natureza não são considerados atraso, mas tecnologia avançada.
Greve in Chianti


          Para ver todos os vídeos do globo repórter desta sexta-feira (03.12.10) clique AQUI..

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

ORIGEM DO NOME CANDOY E MUNICÍPIO DE CANDÓI

          A origem do nome do município de Candói é consenso entre estudiosos e pitaqueiros. É um nome indígena. Teria sido o nome de um Cacique da Tribo dos Votorões que habitavam esta região, um sub-grupo da Etnia ou Nação  Kaingang.
          Na Wikpédia encontramos a informação de que "O ato pioneiro de desbravamento da região do Candói coube ao capitão Manoel Elias de Araújo e sua esposa, Clara madalena dos Santos, donos de grande área de terras entre os rios Cavernoso, Jordão e Iguaçu. O casal não teve filhos e adotou uma criança, a quem batizaram de Ponciano José de Araújo, e que mais tarde seria padre. O padre Ponciano foi vigário da Freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Tamanduá, hoje Palmeira, no período de 1825 a 1832".
          Como denota o texto, a ocupação do Território de Candói foi resultado da expropriação por parte dos colonizadores brancos de origem européia. Mais uma vez a História ufanista exalta as glórias do "desbravamento", esquecendo que para isto houve enfrentamento, chacina, genocídio dos povos originários da terra, que resistiram à invasão. Uma história criada conta que o cacique com sua tribo, em guerra contra a invasão dos colonizadores ("desbravadores"), para não ter que se entregar como prisioneiro, teria fincado a própria lança em seu peito. No entanto, certo pesquisador que não quiz revelar sua identidade, afirma que existem documentos que comprovam que Candoy e seus irmãos, juntamente com seu povo remanescente, teriam se afastado da região e se refugiado em Chapecó, Santa Catarina. E mais, diz que o nome Candói (da Etnia dos Votorões) sig "cabeça de entre rios", o que seria comprovado pelos rios que circundam este território: Campo Real, Jordão, Cavernoso e Iguaçu.
          Na sequência o mesmo sítio citado continua descrevendo sobre aspectos políticos de Candói. Diz: "Em 21 de dezembro de 1892, foi criado o Distrito Policial de Candoy. No dia 5 de abril de 1913, através da Lei n.º 1.316 foi criado o Distrito Administrativo. Em 30 de dezembro de 1948, através da Lei n.º 199, foi alterada a grafia de Candoy, para Candói. O nome do município, de origem caingangue, é referência ao Rio Candói, afluente da margem direita do Rio Jordão. Trata-se de uma homenagem ao Cacique Candoy, antigo chefe dos índios Votorões".
          Em 27 de agosto de 1990, pela Lei Estadual n.º 9.353, foi criado o município, com o território desmembrado do município de Guarapuava. A instalação oficial deu-se em 1º de janeiro de 1993.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

PENSANDO BEM III

Água e óleo não se misturam.
Acaso, pode a fonte jorrar do mesmo lugar o que é doce e o que é amargoso? (Tg 3.11)


Acaso andarão dois juntos, se não estiverem de acordo? (Am 3.3)

Viver é uma dádiva fatal. No fim das contas, ninguém sai vivo daqui. (Renato Russo)

Na verdade o que conta nao são os prêmios, mas o trabalho perseverante. O resto, para mim, é vaidade. (Leonardo Boff)